Olá, tudo bom? Aqui é o Lucas, Marketeer da 123Projetei, e hoje vou trazer um tópico importantíssimo para você que vai construir a sua casa e está preocupado com a acessibilidade dela!

Seja para uma construção nova ou para reformas e adequações em uma edificação já existente, geralmente, é necessário que exista um projeto de acessibilidade complementar ao projeto arquitetônico. É claro que o projeto arquitetônico já deve seguir os preceitos de acessibilidade e atender à ABNT NBR 9050, mas o projeto de acessibilidade específica e detalha mais elementos que vão garantir uma edificação mais inclusiva, como, por exemplo: projeto de sanitários acessíveis, de mobiliário adequado ao uso de todos, detalhamento da comunicação e sinalização, memorial descritivo e especificações técnicas, entre outros itens.

Neste artigo vamos abordar algumas dicas e boas práticas para tornar uma residência mais acessível e inclusiva, também vamos indicar onde encontrar informações e, principalmente, explorar o que deve ter em cada cômodo adaptado para portadores de necessidades especiais.

ABNT NBR 9050 E A ACESSIBILIDADE NO BRASIL

A acessibilidade no Brasil tem sido uma preocupação constante nas últimas décadas, especialmente após a validade e exigência da ABNT NBR 9050 (2004) nos projetos arquitetônicos e urbanísticos desenvolvidos em todo o país. Essa NBR trata da acessibilidade das edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos, ou seja: deve ser aplicada desde o projeto de acessibilidade de um banheiro ou residência e até mesmo em ruas e praças públicas.

Os projetos de acessibilidade visam facilitar o uso e a locomoção para todos os individuos, removendo todas barreiras que possam impedir o acesso a determinada coisa ou lugar. Geralmente, as barreiras são mais do que apenas um impedimento físico, pois acarretam na dificuldade ao acesso e no aproveitamento de determinados espaços, podendo causar até mesmo acidentes e situações constrangedoras ao transeunte deficiente, quando ele insiste em conseguir o acesso.

No Brasil, cerca de 25% da população possui algum tipo de deficiência física, por isso, fornecer acessibilidade é mais do que cumprir regras, estamos garantindo inclusão e dignidade para todos.

PROJETO RESIDENCIAL

Em todos os cômodos, a área de circulação precisa ter 1,50 m de diâmetro para giro de 360º e de 1,20 m x 0,80 m para giro de 180º. O diâmetro de corrimãos e barras deve ficar entre 3,00 cm a 4,50 cm, afastados 4,00 cm da parede. A altura das maçanetas é de 0,80 m a 1,00 m e as tomadas devem ser instaladas em alturas que variam de 0,40 m a 1,00 m do chão. Os interruptores e a campainha são instalados a 1,00 m do chão e os interfones e telefones a uma altura entre 0,80 m a 1,20 m. A largura mínima dos corredores é de 0,90 m, enquanto o comando de janela precisa estar acessível a 0,60 m a 1,20 m, e as janelas devem ter visibilidade de, no mínimo, 0,60 m de altura do piso.

BANHEIRO ADAPTADO

As barras de apoio são necessárias para garantir o uso com segurança e autonomia das pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Todas as barras de apoio utilizadas em sanitários e vestiários devem resistir a um esforço mínimo de 150 kg e estar firmemente fixadas a uma distância mínima de 40 mm da sua base de suporte até a face interna da barra.

As extremidades da barra devem estar fixadas nas paredes ou ter desenvolvimento contínuo até o ponto de fixação com formato recurvado.

Existem diversas orientações e detalhes que devem ser observados em um projeto de acessibilidade para banheiros adaptados destinados a pessoas com mobilidade comprometida ou portadores de necessidades especiais. Todas as especificações para a correta execução de um banheiro para deficiente estão na norma NBR 9050, mas algumas das medidas e especificações que devemos ficar mais atentos são:

– LARGURA E ABERTURA DA PORTA

Mínimo 80 centímetros de largura e precisa ser adotada soleira em rampa, além de abrir para fora – para que um cadeirante possa abrir a porta sem dificuldades.

– ALTURA DA PIA

As louças são especiais e devem estar dentro das normas de segurança. A pia deve ser suspensa e sua borda superior estar entre 78 centímetros e 80 centímetros de altura em relação ao piso acabado, devendo a parte inferior ser livre de obstáculos e respeitar a altura livre mínima de 73 centímetros.

– ALTURA E MODELO DO VASO SANITÁRIO

O vaso sanitário deve estar instalado a uma altura entre 43 centímetros e 45 centímetros do piso acabado – medida a partir da borda superior sem o assento.

– MEDIDAS INTERNAS DO BANHEIRO PNE

Precisa garantir o giro da cadeira livre, ou seja, para uma rotação de 360º é preciso que o banheiro PNE (portador de necessidades especiais) tenha 1,50 m de diâmetro.

Oferecer banheiro adaptado para os clientes de bares e restaurantes, dentre outros espaços públicos ou privados destinados ao uso coletivo, passou a ser obrigação desde dezembro de 2000 e o acesso a ele deve ser desimpedido e 100% acessível.

– CHUVEIRO

O chuveiro é equipado com desviador e o controle de fluxo (ducha/chuveiro) deve ser manual. Os registros devem ser do tipo alavanca de monocomando, instalados a 0,45 m da parede de fixação do banco e a uma altura máxima de 1,00 m do piso acabado. A posição da ducha manual é de 0,30 m da parede de fixação do banco e a uma altura máxima de 1,00 m do piso acabado.

A dimensão mínima do box para o chuveiro é de 0,90 m x 0,95 m. Ele deve ser provido de banco articulado ou removível, com cantos arredondados e superfície antiderrapante impermeável, e de barras de apoio verticais, horizontais ou em “L”. A profundidade mínima do banco é de 0,45 m, altura de 0,46 m do piso acabado e comprimento mínimo de 0,70 m.

Na parede de fixação do banco é instalada uma barra vertical com altura de 0,75 m do piso acabado e comprimento mínimo de 0,70 m, a uma distância de 0,85 m da parede lateral, onde são instaladas duas barras de apoio, uma vertical e outra horizontal ou, alternativamente, uma única barra em “L”, obedecendo aos seguintes parâmetros:

– BARRA VERTICAL – com comprimento mínimo de 0,70 m, a uma altura de 0,75 m do piso acabado e a uma distância de 0,45 m da borda frontal do banco;

– BARRA HORIZONTAL – com comprimento mínimo de 0,60 m, a uma altura de 0,75 m do piso acabado e a distância máxima de 0,20 m da parede de fixação do banco;

– BARRA EM “L” – em substituição às barras vertical e horizontal, com segmentos das barras de 0,70 m de comprimento mínimo, a uma altura de 0,75 m do piso acabado no segmento horizontal e a uma distância de 0,45 m da borda frontal do banco no segmento vertical.

E ainda tem mais, as normas e especificações vão muito além, mas posso te afirmar que de tudo isso a 123Projetei é extremamente qualificada, nós fazemos todos nossos projetos com excelência e impecabilidade, tudo nos mínimos detalhes e preferências ajustadas à vontade do nosso cliente!

Fique ligado!

Nosso blog disponibiliza inúmeros posts sobre pontos decisivos na sua obra, como manuais e eBooks gratuitos, além de disponibilizar artigos sobre decoração e pequenas ações que influenciam na sua residência (ou empreendimento).

Com atenção,

Lucas Souza.

Share on facebook
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

matheus.chinaglia

Matheus Chinaglia é Engenheiro Civil e CEO 123Projetei.

Deixe uma resposta

This Post Has One Comment